Entre ou cadastre-se

Kit Vinhos do Brasil • Lote 1

FRETE GRÁTIS para os Estados de SP, RJ, MG, ES, PR, SC, RS e DF.

Associados
R$ 323,10
R$ 359,00
4x R$ 89,75 sem juros
Ou R$ 341,05 à vista no boleto
Detalhes do produto

Deguste, aprenda e divirta-se ao mesmo tempo! 

ITENS DO KIT

• 4 garrafas selecionadas.*

• Saca-rolhas personalizado.

• Carta com conteúdo didático, criado pelo sommelier Rodrigo Ferraz.

*Os rótulos que aparecem na imagem são apenas ilustrativos, pois os vinhos são rotativos e mudam com frequência.

A ideia é justamente essa, que você tenha novas experiências a cada kit, ao longo do tempo.

Não gosta de surpresas e quer saber quais são os rótulos do Kit com antecedência? Basta entrar em contato com a gente através do Whatsapp (12) 99140-2694.


Está preparado para nossa viagem?

Nesta experiência para os sentidos, selecionei para você rótulos que expressam a tipicidade de seus respectivos locais de origem. Vamos descobrir a essência que torna cada um deles especial a sua maneira. Assim você poderá entender a expressão do terroir na prática: degustando, aprendendo e se divertindo ao mesmo tempo.


RÓTULO 1 • SÃO JOAQUIM (SC) • VINHO TINTO • TEMA: TERROIR EXTREMO

A Serra Catarinense é uma das áreas mais extremas do vinho brasileiro. Ali está um planalto com altitude impressionante, que chega a 1400 metros acima do nível do mar. O relevo é bastante ondulado, fazendo com que a maioria dos vinhedos seja cultivada em encostas de solo vulcânico. Por vezes os invernos são tão rigorosos, que é preciso aquecer as vinhas com fogo durante a madrugada para que os brotos não congelem.

A terra do gelo no Brasil acaba fazendo vinhos com características bem semelhantes àquelas que encontramos em clássicos do Velho Mundo. Os tintos trazem a rusticidade encontrada em vinhos de regiões frias da Europa, enquanto os brancos carregam frescor, mineralidade e complexidade aromática.


RÓTULO 2 • ALTOS MONTES (RS) • VINHO TINTO • TEMA: FRESCOR

A região de Altos Montes está na parte mais alta de dentro da Serra Gaúcha, atingindo até 900 metros acima do nível do mar. As cidades representadas aqui são Nova Pádua e Flores da Cunha, sendo esta última o maior polo de produção de vinhos em nosso país no quesito volume. Esse é um berço da cultura italiana na Serra Gaúcha, com ares de cidade europeia, repleta de vinícolas, construções antigas e natureza exuberante.

Pelo fato deste local ter altitude mais elevada que outras partes da serra, as temperaturas mais frias da Serra Gaúcha estão concentradas justamente ali. Esse acaba sendo um fator de diferenciação de seus vinhos, já que na maioria das vezes eles apresentarão um frescor típico, causado pela elevada acidez na bebida. Coloque um vinil de jazz na vitrola, sente-se na poltrona e sinta o conforto e a leveza presentes nos vinhos de Altos Montes.


RÓTULO 3 • VALE DOS VINHEDOS (RS) • VINHO TINTO • TEMA: TRADIÇÃO

O Vale dos Vinhedos é a região mais clássica da vitivinicultura nacional. Localizada dentro da Serra Gaúcha, essa área foi pioneira na criação da primeira Denominação de Origem exclusiva para vinhos em nosso país, no ano de 2012. Com vinícolas espalhadas por todo o seu território, diversos hotéis e bons restaurantes, atualmente se consolida como um excelente local para pessoas que buscam fazer enoturismo de qualidade no Brasil.

Por ser uma região de clima mais ameno, os vinhos elaborados no Vale dos Vinhedos costumam trazer uma harmoniosa junção de aromas de frutas e rusticidade. Apesar de existirem grandes indústrias do vinho instaladas por lá, muitas produtoras do Vale dos Vinhedos ainda preservam um caráter artesanal e familiar, tanto na elaboração dos vinhos, como na forma de receber os visitantes. Em minha opinião, esse é um destino obrigatório para os entusiastas dos vinhos nacionais. Boa viagem!


RÓTULO 4 • TERROIR DE INVERNO (SP) • VINHO TINTO • TEMA: CRIATIVIDADE

O Terroir de Inverno nasceu de uma das melhores características do povo brasileiro: a criatividade. Essa designação contempla principalmente o norte do Estado de São Paulo, o sul de Minas Gerais e algumas áreas de Goiás. Nessas regiões, o verão tem muita chuva e não possui amplitude térmica suficiente entre o dia e a noite, fazendo com que as uvas viníferas não amadureçam bem e, consequentemente, não gerem vinhos de alta qualidade técnica.

Com a ideia de reverter esse quadro, o enólogo e pesquisador mineiro Murilo Regina criou o conceito da poda invertida. Nesse processo, os produtores podam as videiras no verão (enquanto o resto do mundo está fazendo a colheita) e induzem a vinha a frutificar durante o período do inverno. Dessa forma, as uvas conseguem amadurecer em um clima muito menos chuvoso, com dias ensolarados e noites frias. Uma verdadeira jogada de mestre, que mudou para sempre a vitivinicultura dessas regiões.

Cheers!

by Sommelier Rodrigo Ferraz | Direitos Reservados

Newsletter

Receba nossas novidades e promoções por email