Terre di Giafar Syrah

Vinho Tinto Italiano Terre di Giafar Syrah 2019

Safra 2019 - 750 ml
Terre Siciliane I.G.P. (Província de Trapani) - Itália
Uva(s):
Syrah,
Harmonização:
Risoto à carbonara, Carne suína, Culinária mediterrânea, Culinária ibérica,
Ocasiões:
Montanha e lareira, Petit comité, Degustar devagar,
Amadurecimento:
12 meses em barricas de carvalho.
Temperatura de serviço:
18 °C
Teor Alcoólico:
13.5 %
Volume:
750 ml
Potencial de guarda:
Até 10 anos.
Tipo
Tinto
Corpo
Encorpado
Aromas
e sabores
Baunilha
Frutas vermelhas
Geleia de frutas
Especiarias doces
Associados
R$ 147,60
R$ 164,00
4x R$ 41,00 sem juros
Ou R$ 155,80 à vista no boleto
4 Unidades = R$ 147,60 por unidade
6 Unidades = R$ 141,04 por unidade
Informações sobre este rótulo

O rótulo que apresento hoje foi produzido pela Terre di Giafar, uma cooperativa vitivinícola italiana nascida no verão de 2008, em meio a uma crise econômica em seu país. Como uma forma de louvor à resiliência, os fundadores decidiram tomar como lema a expressão em latim “per aspera ad astra”, que significa algo como “através de dificuldades para as estrelas”. O local escolhido para a construção da sede foi o centro urbano de Paceco, uma pequena comuna com pouco mais de 10 mil habitantes localizada na Província de Trapani, no extremo oeste da ilha da Sicília. Além de fascinante e belíssima, essa é uma região muito interessante do ponto de vista histórico. Logo do outro lado do Mar Mediterrâneo, a aproximadamente 200 km, está a cidade costeira de Tunes (capital da Tunísia), portanto trata-se de uma zona comercial e politicamente aquecida desde as civilizações ancestrais. Da antiguidade clássica até os tempos contemporâneos, esse pedaço da Itália serviu de abrigo para diversas culturas, por onde já passaram gregos, cartaginenses, fenícios, vândalos, árabes, entre outros povos que deixaram sua marca no local.

Especificamente a vitivinicultura surgiu na Sicília através de colonos gregos, por volta do século VIII a.C., e nunca mais saiu dali. Por uma série de bons fatores como clima, solo e legado humano, a produção de vinhos se espalhou pela região e prosperou através do tempo, até ganhar evidência internacional no século XVIII, época em que foi criado o Marsala (Também é nome de cidade da província de Trapani. O próprio nome Marsala é derivado da expressão árabe Marsah-el-Allah, que significa “Portão de Deus” – influência árabe na região). O terroir ideal para produção desse vinho fortificado e intenso é um clima quente e seco, além de solo árido, exatamente como ocorre na parte oeste da ilha. Ali se formou uma concentração que hoje representa a área de vinhedos mais extensa da Sicília (e de toda a Itália), a qual percorre a planície e as baixas colinas da província de Trapani.

Apesar de toda a fama, não apenas de produzir Marsala vive a província de Trapani, que já serve de reduto para criação de outros vinhos expressivos e igualmente potentes. Até mesmo castas francesas são encontradas por lá, com destaque para variedades que se adaptam bem a climas quentes e secos. Quero destacar o Syrah produzido pela Terre di Giafar, no qual se percebe a essência do oeste siciliano, através de sua coloração densa e seus aromas plurais e pujantes. Como se já não bastasse o verão ardente do mediterrâneo, o produtor decidiu acrescentar ainda mais intensidade ao vinho, utilizando-se do método “salasso”, sangria, no qual a parte líquida do mosto é reduzida para concentrar o bagaço antes do início da fermentação. Um brinde aos vinhos que trazem calor às nossas taças.

by Sommelier Rodrigo Ferraz | Direitos Reservados


Newsletter

Receba nossas novidades e promoções por email