Duas Danças Colheita Selecionada 2019

Vinho Tinto Português Duas Danças Colheita 2019

750 ml
Alentejo - Portugal
Uva(s):
Aragonez, Syrah, Touriga Nacional,
Harmonização:
Carne de caça, Carne vermelha, Cordeiro, Culinária ibérica,
Ocasiões:
Degustar devagar, Montanha e lareira, Petit comité,
Amadurecimento:
6 meses em barricas de carvalho.
Temperatura de serviço:
18 °C
Teor Alcoólico:
14.0 %
Volume:
750 ml
Potencial de guarda:
Acima de 10 anos.
Tipo
Tinto
Corpo
Encorpado
Aromas
e sabores
Baunilha
Geleia de frutas
Couro
Chocolate
Associados
R$ 120,60
De R$ R$ 155,00
R$ 134,00
4x R$ 33,50 sem juros
Ou R$ 127,30 à vista no boleto
4 Unidades = R$ 120,60 por unidade
6 Unidades = R$ 115,24 por unidade
Informações sobre este rótulo
Dentre as principais regiões do vinho português está o Alentejo, berço de rótulos icônicos como o Pêra-Manca. Pouco tempo antes da pandemia de 2020, tive a oportunidade de visitar esse pedaço de solo lusitano, para conhecer melhor sua história, seus vinhos e sua gente. Algo que pude notar de característico foi a calmaria do cenário alentejano, talvez pelo bucolismo ser um aspecto marcante de seu território. Mesmo sendo a maior região de Portugal em área (31.603 km²), sua população total é de cerca de 700 mil pessoas, praticamente o mesmo número de habitantes da cidade que moro hoje no Brasil, São José dos Campos, cuja área é de apenas 1.100 km². Essa relação destoante entre tamanho versus número de habitantes ajuda a explicar sua mata nativa preservada, seu ar fresco, assim como a facilidade de encontrar animais silvestres vagando por seus campos.

Quem já visitou o Alentejo, sabe que lá existe uma energia poderosa envolvendo a paisagem. Uma terra árida e ensolarada, de imensas planícies com características mediterrânicas, onde tons amarelados e esverdeados pintam o horizonte. Dividindo espaço com vinhedos e olivais, estão os sobreiros e azinheiras compondo sua inconfundível identidade natural. Pelo fato de não haver nenhuma barreira orográfica imponente que pudesse segurar a condensação da humidade vinda do Oceano Atlântico, a secura acaba sendo um fator relevante neste terroir. Pequenas e escassas cadeias montanhosas da região estão mais concentradas na parte leste, logo na divisa com a Espanha. Não coincidentemente, as sub-regiões do vinho alentejano também estão concentradas nessa mesma área. Afinal, os produtores precisam buscar continentalidade e altitude para garantir a tão importante amplitude térmica, essencial principalmente no período de maturação das uvas viníferas de boa qualidade.

Onde há muito sol e pouca chuva, há vinhos intensos e estruturados, sejam eles brancos ou tintos, assim é a essência dos exemplares alentejanos. No entanto, potência sem frescor não basta, pois, vinho robusto sem acidez se torna enjoativo. Diante disso, para garantir a preservação da acidez dos frutos, diversos vinhedos de prestígio estão diretamente ligados às localizações mais continentais e elevadas da região, onde as noites são mais frescas, apesar dos dias escaldantes. Exemplos claros desse panorama são os agrupamentos de vinhas que podemos encontrar nas encostas da Serra de Portel e Serra de Ossa (ambas no distrito de Évora, Alentejo Central) e, mais ao norte, nas encostas da Serra de São Mamede (no distrito de Portalegre, Alto Alentejo). Esses estão entre os locais mais importantes da vitivinicultura alentejana, a qual equilibra taninos sedosos, exuberância aromática e frescor natural como poucos terroirs do mundo. Um brinde à força do Alentejo!

by Sommelier Rodrigo Ferraz | Direitos Reservados


Newsletter

Receba nossas novidades e promoções por email